Guarapari: possíveis casos de caxumba acendem alerta no município

5

“No dia 16 de dezembro comecei a senti dores nos dois lados do rosto, em frente às orelhas, que piorava quando mastigava algum alimento.

No outro dia fui ao médico suspeitando que estivesse com caxumba, após ter feito uma pesquisa sobre a doença, e ele confirmou o diagnóstico”, esse foi o relato de um morador do município, que pediu para a identidade ser preservada.

Segundo a fonte, no dia seguinte um amigo publicou nas redes sociais que também estaria com caxumba. “Até o momento, já são seis pessoas do meu convívio que estão com os mesmos sintomas que eu. Algumas já foram ao hospital, que também confirmou o diagnóstico de caxumba”.

Diante do fato, procuramos a Secretaria Municipal de Saúde de Guarapari – Semsa, através da assessoria de comunicação da prefeitura, que nos informou que não houve registro de casos de caxumba entre dezembro e atual data.

Perguntamos também a respeito de campanha e vacinação da doença. A resposta veio através de nota.

A vacina está disponível em todas as unidades de saúde que dispõe de sala de vacinação. Recentemente, em novembro, foi realizada campanha de vacinação para pessoas de 20 a 29 anos. A próxima campanha está prevista para fevereiro, com o público alvo de 5 a 19 anos”.

No Brasil a caxumba não é um agravo de notificação compulsória, sendo a vacinação o instrumento disponível para o controle da doença. O esquema vacinal recomendado pelo Programa Nacional de Imunizações inclui a administração da vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) aos 12 meses de idade e a vacina tretraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) aos 15 meses de idade (esta última corresponde à segunda dose da tríplice viral mais uma dose da varicela).

“Conforme o Calendário Nacional de Vacinação, todas as crianças e adolescentes até 19 anos de idade devem ter duas doses de vacina com os componentes do sarampo, caxumba e rubéola. Indivíduos de 20 a 49 anos de idade que não apresentarem comprovação vacinal devem receber uma dose da vacina tríplice viral. A vacina está contraindicada para pessoas com história de anafilaxia após o recebimento de dose anterior, usuários com imunodeficiência clínica ou laboratorial grave e em gestantes”.

Caxumba

Doença infecciosa, também conhecida como papeira, causada por um vírus da família dos Paramyxovirus, que provoca inflamação nas glândulas parótidas, as glândulas salivares localizadas abaixo e na frente das orelhas. A doença é transmitida pela saliva infectada.

Algumas pessoas não apresentam sintomas. Quando ocorrem, incluem glândulas salivares inchadas e doloridas, febre, dor de cabeça, fadiga e perda de apetite. O tratamento visa o alívio dos sintomas com repouso, medicamentos para dor e temperatura. A recuperação leva cerca de duas semanas. A doença pode ser prevenida pela vacina tríplice viral.

Embora benigna, em alguns casos podem ocorrer complicações como inflamação dos testículos e dos ovários (que pode resultar em esterilidade), meningite asséptica, pancreatite, neurite e surdez.

Fonte: folhavitoria