Alunos do IFES sofrem com onda de assaltos e tentativa de furto em Guarapari

Foto ilustrativa

Os repetidos assaltos a estudantes que tomaram conta dos noticiários desta quarta-feira (27/06/2018) no Estado, não são exclusividade dos alunos da cidade de Vitória. Já há cinco anos que jovens de Guarapari, estudantes do Instituto Federal na cidade sofrem com a insegurança e a falta de atenção vinda do poder público.

Situado no bairro Tartaruga, o campus do Ifes de Guarapari fica na mesma rua que o Fórum da cidade, o que não impede a ação dos criminosos. Nos cerca de 300 metros entre um prédio e outro, os estudantes ficam constantemente rendidos por meliantes que se escondem em terrenos baldios e restos de construção com vegetação alta. Em alguns casos, os criminosos chegam a portar armas de fogo, o que seria constantemente relatado aos policiais da cidade.

“São diários os casos de assalto e tentativa de furto na rua que leva ao campus do Ifes em Guarapari. Os alunos têm que passar correndo pelo lugar porque oferece risco mesmo de dia”, comentou o motorista de transporte escolar, ex-vereador e pai de dois estudantes do Ifes, Rogerio Capistrano Marques, o Aratu.

Com o intuito de inibir a ação dos criminosos, o ex-vereador revelou já ter feito requerimentos para a prefeitura, mas, sem sucesso, assiste à situação sem ter como fazer muito. “Pedi iluminação, manutenção da via e até a instalação de uma guarita da polícia militar, mas nunca fui atendido. É uma necessidade para todos os estudantes e a cidade deveria oferecer essa estrutura”, disse Aratu, que apelou recentemente ao deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD) para resolver o caso.

Atento às questões de Guarapari, como o mau uso do serviço de estacionamento rotativo e, mais recentemente, ao excesso de pessoas em situação de abandono nas ruas da cidade, Enivaldo dos Anjos ouviu com atenção à demanda apresentada pelo morador.

“Antes de qualquer coisa, é um morador da cidade que está relatando um problema sério. Um pai de família que vê seus filhos sendo expostos diariamente à violência e quer uma posição firme do poder público”, comentou Enivaldo que se prontificou em cobrar uma ação direta da prefeitura da cidade.