Covid: barreira itinerante vai de casa em casa em Presidente Kennedy

66

Uma força tarefa, composta por uma equipe da Secretaria Municipal de Saúde e outra da guarda municipal, está percorrendo casa por casa e examinando pessoa por pessoa em 12 comunidades de Presidente Kennedy, município do extremo Sul do litoral capixaba, com o objetivo de identificar suspeitas de contaminação e frear a disseminação do novo coronavírus, que já alcançou o correspondente a 3% da população, estimada pelo IBGE em 11.574 moradores.

Isto porque, nos últimos 15 dias, o número de casos notificados saltou de 194 para 347 casos, um crescimento de 78%, o que o secretário municipal de Saúde, Jairo Frinks, 59 anos, atribui a esse trabalho de enfrentamento à doença. No princípio, segundo o médico Marcos Sobreira, diretor clínico da cidade, a barreira sanitária abordou 40 mil pessoas nos acessos da cidade e não encontrou qualquer ninguém com sintomas.

Enquanto o Espírito Santo aplicou 2,25 testes para cada caso confirmado de Covid19, o município de Presidente Kennedy fez 5,7 testes por cada caso. Em todo o Estado, o índice de curados é de 61,87%, enquanto no município é de 55,5%, “justamente porque são casos novos, que somente foram descobertos por causa da testagem”.

Segundo Jairo Frinks, cujo pai, Manuel Frinks, foi prefeito duas vezes, e a mãe, Genilda, foi a primeira enfermeira do município, o trabalho feito pela Barreira de Saúde Itinerante, bem como todas as ações preventivas implementadas desde o primeiro momento em que surgiram as notícias da ocorrência de Covid no Espírito Santo, ainda em fevereiro, é que resultam no número, aparentemente, elevado de casos da doença em Presidente Kennedy, em comparação com o restante do Estado e outros municípios.

TESTAGEM

“Quando conseguimos comprar os testes para detectar o vírus, tínhamos pouco mais de 20 casos notificados. Fizemos uma testagem massiva, principalmente do pessoal de frente, da saúde, dos transportes, da segurança, e rapidamente ultrapassamos a casa dos 100 casos confirmados. O número absoluto não nos incomoda. O que incomoda, é ver a doença e não fazer nada, e fizemos muito”, disse o secretário de saúde.

O secretário comemora o retorno para casa, em Jaqueira, de uma paciente de 92 anos, que se recuperou da doença e estava na Santa Casa de Cachoeiro. Foi nessa localidade que ocorreu o primeiro caso de morte por Covid19 no Sul do Estado: uma mulher que teria contraído o vírus quando foi ao hospital Jayme Santos Neves, na Serra, fazer tratamento de um problema renal crônico. O segundo caso foi outra mulher, filha do município, mas que morava em Duque de Caxias (RJ), e estava passando temporada na Praia das Neves.

“Ela já chegou contaminada”, disse Jairo.
Foi a partir daí que Presidente Kennedy entrou em estado de alerta para chegada da doença, confirma o diretor clínico do hospital da cidade, o médico Marcos Sobreira, de 69 anos, que, além de conduzir a estratégia de assistência aos pacientes do município, ainda tem dedicado atenção especial ao próprio prefeito Dorlei Fontão (PSD), que foi diagnosticado com a doença e colocado em isolamento.

Conhecido como Dorlei da Saúde, o prefeito foi vereador por quatro mandatos e era o vice-prefeito até o ano passado, quando assumiu a prefeitura diante do afastamento da prefeita Amanda Quinta (PSDB), inicialmente por 60 dias e, depois, definitivamente, por decisão da Justiça. Seu esforço por dotar a saúde do município de infraestrutura de qualidade para atender à população, não apenas durante a pandemia, mas de forma permanente, tem a ver, segundo disse, que seu próprio histórico político vinculado ao setor.

Agora, o trabalho da barreira itinerante está surtindo muito mais efeito, segundo Marcos Sobreira: “Quando a equipe da barreira itinerante encontra algum caso suspeito, mesmo que o teste no posto de saúde dê negativo, a pessoa é colocada em isolamento em casa por pelo menos uma semana, sendo monitorada diariamente. Se aparecerem os sintomas, volta a testar e entra em tratamento imediatamente, junto com seu núcleo familiar”.

“Esse trabalho está sendo muito bem sucedido, por isso esses números aparecem tão altos, mas estamos salvando vidas. Porém, é importante salientar que é uma via de mão dupla: de um lado, o poder público agindo preventivamente e do outro a população, que precisa se proteger, usar máscaras e tomar todas as medidas preventivas. Isso não vinha sendo bom, mas parece que na última semana a sociedade ficou mais atenta e melhorou nosso índice de isolamento”, disse o secretário Jairo.