Vendedor tem caixa de empadas jogada no chão de terminal e comove passageiros, na Serra

36

Um vendedor de empada disse que teve a mercadoria jogada no chão do Terminal de Carapina, na Serra, por um fiscal da Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Espírito Santo (Ceturb-ES), na manhã desta terça-feira (9). O fiscal negou a acusação e, segundo a Ceturb, apenas segurou a alça da caixa do vendedor. Os dois foram levados para a Delegacia Regional do município e o caso será investigado.

A situação causou comoção entre os passageiros que estavam no terminal. Eles ficaram revoltados com a atitude do funcionário.

“Foi muito rápido. Ele estava com o isopor da empadinha para vender e, quando eu vi, já estavam todas no chão. O fiscal foi extremamente grosseiro e agressivo. A população ficou revoltada, porque ele podia ter negado o ambulante de vender no local, mas não ter jogado as coisas dele no chão. O menino ficou sem saber o que fazer. Ficou muito chateado”, contou a autônoma Amanda Queiroz, de 29 anos.

A manicure Ana Paula Peixoto, de 41 anos, chegou logo após o desentendimento entre o fiscal e o vendedor e registrou todas as empadas jogadas no chão.

“Quando eu cheguei, já tinha acontecido. Esse vendedor ambulante sempre vende empada no terminal e já vi ele ser repreendido outras vezes. Uma vez, o fiscal disse que acompanharia até em casa, porque ele não ia vender lá. A população ficou muito revoltada e isso mobilizou todo mundo. O fiscal só não agrediu o rapaz porque um outro entrou no meio”, relatou Ana Paula.

Comoção e vaquinha

Por causa da ação do fiscal, os passageiros se mobilizaram para fazer uma vaquinha e pagar o custo das empadas estragadas. Segundo a passageira, o ambulante contou que havia 250 unidades na caixa.

“Um outro rapaz que vende apareceu, que acho que é o primo dele, e as pessoas compraram a empada dele. Outras pessoas quiseram dar dinheiro para pagar o prejuízo, mas ele não queria aceitar”, disse a manicure.

Versões

A Polícia Militar foi acionada e, de acordo com os militares, o vendedor e o fiscal foram abordados e contaram versões diferentes sobre o caso.

As testemunhas disseram para a polícia que o fiscal teria derrubado a mercadoria do ambulante, pois ele não poderia vender o produto no local.

O vendedor informou que foi informado pelo fiscal que não poderia vender o salgado lá. Segundo ele, o fiscal, então, pegou a caixa térmica e despejou as empadas no chão.

Já o fiscal alegou foi o ambulante que jogou as empadinhas no chão. Ele afirma que há algum tempo estava alertando o ambulante de que não poderia comercializar o produto no local.

Ceturb

A Ceturb informou que a comercialização de produtos dentro dos terminais é proibida, conforme Decreto Estadual 3.549-R, de 2014, que trata do regulamento dos terminais. E que a lei de licitações determina que espaços públicos sejam explorados mediante licitação.

Na manhã desta terça-feira (9), a Ceturb disse que o ambulante foi abordado pela fiscalização e se recusou a sair.

Segundo a Companhia, o fiscal segurou na alça da caixa que o vendedor levava e ela caiu no chão. Abusos na conduta do fiscal serão apuradas e caso comprovada serão adotadas medidas administrativas cabíveis.

Informações: G1/ES